Pedra nos rins

PEDRA NOS RINS E HÁBITOS SAUDÁVEIS

Os cálculos renais, popularmente conhecidos como “pedra nos rins”, são formados quando a concentração de alguns componentes da urina – ácido úrico, cálcio, fósforo, assim também a cistina – se eleva a ponto de ocorrer a sua agregação em forma de cristais.

Esses cristais, usualmente, são removidos do corpo pelo fluxo natural da urina.

Mas, em certas situações, aderem-se ao tecido renal ou localizam-se em áreas onde não conseguem ser removidos.

Essas pedras nos rins são bem pequenas no início, mas podem crescer e chegar a ter o tamanho de um caroço de azeitona ou pedregulho.

A doença atinge 5% da população mundial, sendo que ataca três vezes mais homens que mulheres.

A maioria dos casos é diagnosticada em pessoas entre 30-50 anos de idade. Sendo assim, a prevenção deve começar na infância, com a educação alimentar.

VOCÊ SABIA?

Aproximadamente uma em cada 200 pessoas desenvolvem pedras nos rins. Cerca de 80% dessas pessoas eliminam a pedra espontaneamente junto com a urina.

Pedra nos rins e hábitos saudáveis

Os outros 20% das pessoas que já sofreram um episódio de cálculo renal podem também desenvolver a doença novamente, num prazo de 5 a 10 anos.

Dessa maneira, é importante manter as medidas preventivas.

SINTOMAS – PEDRAS NOS RINS

Pedra nos rins é considerada uma doença silenciosa, pois os sintomas somente irão se manifestar quando as pedras já estiverem instaladas.

cálculos renais sinais e sintomas

Alguns cálculos podem permanecer assintomáticos (sem sintoma algum), não requerendo tratamento algum. Mas podem obstruir e machucar partes do trato urinário ao tentarem passar junto com o fluxo normal de urina.

A dor causada por um cálculo é descrita como a mais severa que uma pessoa pode experimentar, ocorrendo na porção inferior das costas ou do abdômen.

Além disso, a dor pode ser tanto constante como descontínua e vir acompanhada de náusea, vômito e sangue na urina.

Urina com odor fétido, febre, bem como calafrios, pode indicar a presença de infecção associada, resultando numa enfermidade mais séria.

Assim, para evitar novas ocorrências, é importante determinar a causa dos cálculos renais. A maioria é formada de oxalatos de cálcio ou de fosfato de cálcio. Em menor proporção as pedras podem se formar de cristais de ácido úrico, especialmente nas pessoas com gota.

Um quarto tipo, cálculo cistinos, ocorre em raros casos de doenças metabólicas.

FATORES QUE PREDISPÕEM – PEDRA NOS RINS

A formação de um cálculo renal, geralmente, resulta de múltiplos fatores que atuam conjuntamente em alguém suscetível. Os seguintes fatores predispõem ao problema:

  • Idade: Mais comum durante a idade média 30-50 anos;
  • Sexo: Três vezes mais comum em homens do que em mulheres;
  • Atividade: Imobilização ou perda excessiva de líquidos pelo suor;
  • Clima: Em climas quentes ou durante os meses de verão. Habitantes de climas quentes como algumas cidades nordestinas, por exemplo, têm maiores chances de desenvolver o problema, pois desidratam-se mais rapidamente, o que torna a urina mais concentrada;
  • Distúrbios genéticos: Gota, cistinúria, bem como hiperoxalúria primária;
  • Distúrbios metabólicos: Tais como problemas renais endócrinos e intestinais que aumentam a quantidade de cálcio e oxalato no sangue e na urina. Além disso, o uso incorreto de medicações, infecção urinária, baixo consumo de líquidos e desordens alimentares.

COMO PODEMOS PREVENIR PEDRA NOS RINS?

Então, a melhor forma para quem quer prevenir ou evitar a reincidência de cálculos renais, é incorporar hábitos saudáveis diários, ou seja, praticar exercícios, adotar uma dieta saudável e tomar mais água.

mudança de hábitos e pedra nos rins

É essencial beber líquidos para manter o equilíbrio e eliminar os minerais que se acumulam para formar as pedras.

O líquido aumenta a movimentação das partículas dentro e, com isso, diminui a chance delas se concentrarem e se aglomerarem nos rins.

Além disso, também podem ser necessárias mudanças na dieta. Apesar da maioria dos cálculos conter cálcio, não é uma boa ideia diminuir esse mineral da dieta, a não ser que seja por recomendação do profissional de saúde que esteja lhe acompanhando.

Se o corpo humano não receber uma dose suficiente de cálcio, ele roubará o cálcio dos ossos. Sendo assim, isto aumenta o risco de osteoporose.

Às vezes, o aumento da quantidade de cálcio deve-se ao grande consumo de sal. Pois, o sal favorece a eliminação do cálcio pela urina, aumentando a chance desse mineral alojar-se nos rins.

Assim, o consumo de sal não deve ser feito em excesso. É importante ressaltar que não adianta apenas controlar o uso do saleiro, mas também a quantidade de sal nos alimentos já processados, como enlatados e embutidos.

As carnes vermelhas, além de serem consumidas geralmente bem salgadas, possuem muita proteína. Em excesso, esse nutriente tem o mesmo efeito do sal, ou seja, estimula a saída de cálcio pela urina.

Essas mesmas proteínas favorecem o organismo a retirar mais cálcio dos ossos, tornando-os mais frágeis.

FRUTAS CÍTRICAS E EXERCÍCIOS FÍSICOS – ARMAS CONTRA AS TEMÍVEIS PEDRAS NOS RINS

Então, a laranja, o limão e as demais frutas cítricas possuem citrato, que dificulta a atração entre as partículas formadoras dos cálculos.

Frutas cítricas e cálculos renais

Portanto, chupar laranja ajuda a inibir a formação de cálculos renais. Algumas pesquisas recentes têm mostrado também que a prática de exercícios físicos diminui a probabilidade de ganhar uma pedra nos rins.

Pessoas sedentárias têm maior propensão ao problema, afirmam especialistas.

Leia também: ÁGUA – NÃO ESQUEÇA DELA NO DIA A DIA

ALIMENTOS PROIBIDOS, PERMITIDOS E RESTRINGIDOS – PEDRAS NOS RINS

Observando tudo que já foi dito, podemos afirmar que a maioria das pessoas com cálculos renais poderia reduzir o risco de nova ocorrência apenas aumentando a ingestão de líquidos e reduzindo a quantidade diária de proteína ingerida.

A melhor forma de reduzir a quantidade de proteína diária seria a redução no consumo de alimentos de origem animal.

Entretanto, para aqueles que passam neste momento pelo problema, é importante a adoção de uma dieta restrita em proteínas e oxalatos, até que tudo seja amenizado e volte ao normal.

A seguir, listamos alguns alimentos proibidos, permitidos e restringidos durante uma crise renal:

ALIMENTOS PROIBIDOS

  • Peixes e frutos do mar;
  • Gema de ovo;
  • Vísceras (fígado, coração, bem como moela);
  • Grão-de-bico, feijão, lentilha, assim também a soja;
  • Verduras como – escarola, agrião, brócolis, couve, espinafre, nabo, pepino, acelga, assim também a beterraba, tomate, cebolinha, aspargos, aipo, alho-poró, berinjela e quiabo;
  • Frutas como – figo, ameixa, castanha, damasco, tâmara, uva passa, caqui, amora, tangerina e uva;
  • Café, chá preto, chocolate e groselha;
  • Gergelim, tremoço amarelo, germe de trigo, nozes e amendoim;
  • Melado de cana, pasta de amendoim;
  • Coalho de soja;
  • Salsa e pimenta.

ALIMENTOS RESTRINGIDOS – PEDRAS NOS RINS

  • Carne de vaca e aves;
  • Leite.

ALIMENTOS PERMITIDOS

  • Clara de ovo;
  • Verduras, frutas e legumes (exceto os citados acima);
  • Arroz, macarrão, batata, bem como aveia;
  • Pães brancos, torradas, bolachas tipo água e sal;
  • Mel, sobremesa que não tenham leite;
  • Chá-mate, erva-doce e camomila.

RECOMENDAÇÃO IMPORTANTE – PEDRA NOS RINS

Embora se saiba muito sobre as circunstâncias de formação de cálculos, os mecanismos ainda permanecem obscuros.

beber água é importante

Por exemplo, a urina normalmente contém substâncias químicas que inibem a formação de cristais, mas ninguém sabe por que esses inibidores não funcionam para todos.

Tampouco se sabe por que se formam em algumas pessoas, mas não em outras com as mesmas condições predisponentes.

Enquanto não tivermos explicações para tudo isso, drible a pedra nos rins praticando mais exercícios físicos, incorporando hábitos saudáveis no seu dia a dia, mudando sua dieta, ou seja, bebendo mais água, moderando o consumo de carne vermelha e controlando o sal.

APEGUE-SE AO QUE TE FAZ BEM!

VISITE NOSSO SITE E CONHEÇA NOSSOS PRODUTOS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *